Sábio leopardo

O que eu devo fazer, Leopardo das Neves?
No que o caminho há se Tornado –
tombo, fundo do poço; saudade?
Uma confusão; Labirintos leves?
As respostas me deixam desolado,
o funeral da minha singularidade:

O que eu devo saber?
Uma dúvida primitiva.
Se dá certo, desvanece;
Se na lágrima, prazer.
A verdade da expectativa:
Sou o salvo sem s.

E o que eu devo ser?
Se
não posso ir embora,
já errei e já me arrependi –
e agora;
o que devo fazer?

Se muito em minhas ideias tardo,
sei que já passa da hora do almoço.
Sinto seus dentes no meu pescoço
Ora, claro! És um sábio leopardo.

Leopardo das Neves


2014/08/07
Danilo Crespo

Anúncios

O jogo dos sete erros

O telefone tocou

(primeiro erro:
um palhaço chorando em público

segundo erro:
ter que lembrar de dar atenção à brisa

terceiro erro:
as traduções soon to be misleading

quarto erro:
as idéias soon to be mistakes

quinto erro:
tinta vermelha na consciência branca

sexto erro:
no vazio, uma breve euforia
seguida pela asfixia)

foi engano.
 

404

1.

O desespero na busca por algo sólido aplica-lhe um susto;
Num momento de derrota cotidiana, de tudo desacreditado,
ele leu um trecho inócuo e ineficaz, ridiculamente robusto,
mas leu a frase “não tenha medo da imigração” errado!

Seus olhos registraram “não tenha medo da imaginação”;
A enciclopédia onde os sonhos são pintados de burocracias
Deu-lhe algo a que segurar-se com a força da palma da mão
Sem medo da imaginação, não há obstáculo, abrem-se as vias!

O princípio básico ateou fogo ao tédio do sacramento
decerto que o traço de realidade não poderia ser perdido,
mas a sede de luta, a sede de verdade para o pensamento

apenas cresceu, embora mal ele soubesse o erro cometido,
o homem em briga dispôs-se a lutar de punhos apenas
um vôo incontestável que ofuscou as almas pequenas.

2.

Sucesso ou não, a chave valia-se em simplesmente lutar.
A arma pode gerar o triunfo da vitória, mas o arrepio
e a glória que criam-se de forma sublime e salutar
é a sentida na pele e na força de um punho vazio,

no sangue corrente e no grito tão distinto de liberdade.
As lutas seguem, o homem debruça-se na tristeza
e questiona a si mesmo num momento de saudade,
tremendo em temor ao tempo e à própria fraqueza.

Então vai buscar inspiração no momento primeiro
que o libertou das algemas do medo da imaginação,
que fez ele sair com sua convicção, completo, inteiro –

e a ardilosa verdade é maldita e mente em traição.
A enciclopédia dirá para não ter medo de imigrar:
Eis então que a verdade mata o que o erro fez voar.

see-saw

 
eu sempre achei que se eu te sentisse direito…
partir um coração não é difícil afinal.
mesmo que o seu olhar seja mais forte que sua voz,
não importa,
tento partir seu coração.
o movimento das mãos pequenas
me enche de raiva e
as memórias torcem e distorcem.
quero segurar sua mão num clichê apocalíptico.
sinto isso sempre que vejo seu rosto.
vamos fingir que nos conhecemos ontem.
você precisa saber
porque a verdade são dois olhos confusos
rodeados de tanta informação
que não são capazes de decifrar nada.
quero sonhar através desses seus olhos castanhos
com um dia ensolarado.
ou então só deixar pra lá
eu não consigo explicar
é, estou completamente perdido
eu troquei tantas vezes as peças de lugar
que elas terminaram justamente no mesmo lugar.